O filme de aniversário desse ano, “Onde Vivem Os Monstros”, é aquele tipo de filme que eu amo ver. Lindo e profundo em seu conteúdo. Cada cena, cada metáfora, é milimetricamente pensada para ajudar o garoto Max em sua jornada para entender sua infância. Uma jornada clara, pode-se dizer, que todos passaram e vão passar. Por mais atordoante e estranha que essa fase seja, ela tem um fim. E, após ele, só sentimos saudade. É o que Max vê: não se pode viver nesse mundo de imaginação para sempre.

“(500) Dias Com Ela” é um dos filmes mais deliciosos que já vi. Tudo nele é acertado: a música está no lugar certo na hora certa; as cores que aparecem em cada cena, que são escolhidas a dedo para lembrarem da Summer; as atuações são fantásticas; o roteiro é muitíssimo bem bolado. Mesmo assim, se tem algo que supera tudo isso, é pequena Chloe Moretz, que simplesmente arrasa nos papéis que faz. Ótimo. Revejo mais de 500 vezes.

“O Profeta”, filme francês vencedor do Grande Prêmio em Cannes no ano passado. É sensacional e incomparável. Não vi uma trajetória de personagem tão instintiva e absurdamente sensorial que essa. Incrível. Poderoso. Um dos melhores.